Este blog foi criado com o intuito de servir de alerta para as questões de Higiene e Segurança no trabalho, por vezes de forma mais séria e informativa, outras vezes, recorrendo ao humor.


Thursday, December 16, 2010

Lock out Tag Out


Hoje, numa aula de identificação e avaliação de riscos profissionais do mestrado em SHT, foi abordado um conceito muito interessante: log out tag out.

Este conceito refere-se aos procedimentos OSHA para protecção dos trabalhadores de energias potencialmente perigosas quando efectuam serviços de manutenção ou reparação em máquinas ou equipamentos.
A maior parte dos requerimentos encontram-se na norma de bloqueio/etiquetagem 1910.147, The Control of Hazardous Energy.

Bloqueio (lockout) significa bloquear o mecanismo que isola uma fonte de energia do trabalhador. Quando o mecanismo – um dispositivo de isolamento de energia – está bloqueado, permite ao
trabalhador efectuar a manutenção em segurança equipamento potencialmente perigoso. Um dispositivo de bloqueio (normalmente um cadeado) mantém o dispositivo de isolamento de energia numa posição de segurança. Cada cadeado deve ter a sua única chave ou combinação. Quando um dispositivo de isolamento de energia está bloqueado, o equipamento não funciona até que o cadeado seja removido.

Sinalização (Tagout) significa colocar uma etiqueta ou sinal – dispositivo de sinalização – no dispositivo de isolamento de energia. Os dispositivos de sinalização devem controlar as energias perigosas com a mesma eficácia que os dispositivos de bloqueio. Mas porque os dispositivos de etiquetagem não proporcionam a mesma barreira física às energias perigosas que os dispositivos de bloqueio, pode ser difícil demonstrar que eles são igualmente eficazes. A etiqueta deve ser presa em segurança ao dispositivo de isolamento de energia e deve indicar que o equipamento em manutenção não pode ser operado até que a etiqueta seja removida.

O conceito de bloqueio/sinalização é relativamente simples: controlar a fonte de energia potencialmente perigosa de forma a que os trabalhadores não se lesionem quando reparam ou efectuam a manutenção de equipamentos. Contudo, aplicar o conceito a operações de produção complexas pode não ser simples de aplicar.


Para uma melhor percepção desta temática, apresento o seguinte vídeo:

Friday, December 10, 2010

Riscos em trabalhos de limpeza

A limpeza é um trabalho genérico – é realizada em todos os grupos da indústria e em todos os locais de trabalho, e a indústria da limpeza tem provado ao longo de vários anos ser um dos sectores mais dinâmicos, representando um dos principais serviços prestados às indústrias comerciais na União Europeia. A estrutura de emprego dos trabalhadores da limpeza varia entre grandes empresas, tanto privadas como públicas, que contratam ou subcontratam numa base individual numerosos trabalhadores da limpeza. Na sua maioria são mulheres, especialmente migrantes. O trabalho é na maioria das vezes temporário, e com tempos e horários irregulares. Os trabalhadores têm de suportar a ideia de um estatuto de meros "empregados de limpeza", sendo as suas qualificações e experiências ignoradas e vítimas de “invisibilidade” no trabalho. A limpeza realizada à noite é uma realidade inquestionável. Os perigos e riscos que estes trabalhadores enfrentam incluem:
• a exposição a substâncias perigosas, incluindo agentes biológicos que podem causar asma, alergias, e infecções no sangue
• Ruído e vibração
• Escorregamento, tropeções e quedas durante "o trabalho em piso molhado"
• Acidentes de origem eléctrica provocados pelo equipamento de trabalho
• Risco de lesões músculo-esqueléticas
• Trabalho solitário, stresse profissional, violência, e assédio moral (bullying)
• Ritmos e horários de trabalho irregulares.
A prevenção de lesões aos trabalhadores do sector da limpeza requer a introdução de alterações, não apenas por parte das empresas de limpeza, como também por parte da nossa própria percepção de limpeza, sobre a forma como obtemos estes serviços. A mutação dos padrões de trabalho, tais como a passagem de horários de limpeza nocturnos para diurnos, o melhoramento das condições de contratação, valorizando a qualidade do serviço em detrimento do preço, e melhorando a relação entre o cliente e a empresa de limpeza, podem reduzir directamente o risco de lesões para os trabalhadores de limpeza.


Ainda sobre este assunto, partilho aqui vídeos do NAPO:


Monday, December 6, 2010

Documentário - All that glitters, de Tomáš Kudrna

No 53º Festival Internacional de Leipzig de Cinema Documental e Animado – DOK Leipzig, o prémio “Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis” promovido pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho foi atribuído ao realizador checo Tomáš Kudrna pelo documentário “Tudo o que brilha”.

O filme conta a história de um trabalhador numa mina de ouro internacional na inóspita região de Kyrgyzstan.

Aqui fica o o trailer:


Podem ainda espreitar a entrevista com Tomáš Kudrna:


Fontes:
http://pt.euronews.net/2010/10/27/53-festival-internacional-de-leipzig-de-cinema-documental-e-animado-dok-leipzig/

http://osha.europa.eu/en/about/competitions/hw_film_award_2010

Thursday, November 25, 2010

Movimentação Manual de Cargas - Será que vamos desaprendendo ao longo da vida?

Será que vamos desaprendendo ao longo da vida?
Finalmente encontrei na web este vídeo relativo à movimentação manual de cargas, que vi em contexto de formação em Higiene e Segurança no Trabalho. Muito interessante!


Tuesday, November 2, 2010

Seminário: "Campanha Europeia de Avaliação de Riscos na Utilização de Substâncias Perigosas


Campanha de informação e inspecção para a avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas nos locais de trabalho implementada pelo CARIT - Comité dos Altos Responsáveis da Inspecção do Trabalho da União Europeia, a decorrer até Março de 2011

A ACT promove nos próximos dias 10 e 11 de Novembro, acções de divulgação da “Campanha Europeia de Avaliação de Riscos na Utilização de Substâncias Perigosas”, nas cidades de Aveiro e de Beja.

Esta iniciativa pretende sensibilizar os diversos actores do sector, inclusive as PME, para a prevenção dos riscos profissionais, sobretudo na implementação de boas práticas de segurança na indústria da madeira e do mobiliário, face aos factores de risco a que estão diariamente expostos, entre os quais destaca-se o pó da madeira, as colas, as tintas, os diluentes e outros agentes de substâncias perigosas.

Neste contexto, junta-se, para conhecimento, os programas das sessões e as respectivas fichas de inscrição

Seminário de Beja, data Limite: 2 de Novembro
Seminário de Aveiro: inscrições até 8 de Novembro

Para mais informações, consulte o sítio www.campanhaquimicos.eu

Fonte: www.act.gov.pt

Wednesday, October 13, 2010

Monday, October 11, 2010

Trabalhos de risco elevado - os mineiros portugueses

Acidentes de trabalho ocorridos desde o início do ano nas três minas em actividade em Portugal - Panasqueira, Aljustrel e Neves Corvo - cifram-se nos 134. Há duas vítimas mortais.

A poucos dias do resgate dos 33 mineiros, no Chile, o JN foi tentar perceber como se comportariam os mineiros portugueses perante cenário idêntico. Garantiram-nos que a hipótese é remota à luz da lei nacional, mas há muitas histórias de acidentes para contar...

O corpo sai da terra dorido e os olhos semicerrados para não cegar. São abertos devagarinho, ao mesmo tempo que o corpo estica a vontade de chegar a casa. A luz invade-lhes de novo a vida que entendem como "normal".

Se o dia correr bem, depois das oito horas diárias em turnos onde os dias são sempre noites, abraçam as famílias, mas pouco falam de trabalho. Se o dia correr mal, choram, mas também não contam o que sofreram no interior da terra. "Somos muito unidos e o que acontece na mina, lá fica... Preferimos não preocupar as famílias", confidencia Jacinto Anacleto, mineiro em Neves Corvo e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM), que levanta a voz para defender a necessidade de uma maior preocupação governamental no que respeita às condições de trabalho.

Só desde o início do ano ocorreram nas três minas de extracção de minério em actividade em Portugal 134 acidentes: Panasqueira (50) Aljustrel (44) e Neves Corvo (40). Lamentam-se duas mortes. "Na maioria não são acidentes graves, mas em muitos casos os trabalhadores são obrigados a ficar de baixa médica e outros impossibilitados de trabalhar para sempre", salienta.

Aliás, quase todos os mineiros têm um susto para contar: aquele momento em que ouviram o deslizar das areias por cima das suas cabeças ou um outro em que não conseguiram acudir a um companheiro. Apesar dos meios de segurança serem cada vez mais exigentes e eficientes, o recente episódio na mina de San José, no Chile, que aprisionou 33 mineiros depois de um desabamento que lhes barrou o único contacto com o exterior, veio recolocar na ordem do dia a questão das condições de segurança nas minas.

"Estamos a falar de um trabalho específico e que acarreta muitos riscos. A terra não avisa quando cai. Esta não é uma profissão qualquer. Vivemos sob um perigo iminente", salienta José Maria Isidoro, do STIM e mineiro na Panasqueira.

Para além de maior inspecção e manutenção, o sindicato defende ainda uma formação mais activa e pensada. "O curso de mineiro demora pouco mais de três meses e após esse período os homens são enviados para baixo, muitas vezes, cheios de inseguranças e sem conhecerem bem a realidade de uma mina", diz, Jacinto Anacleto, que trabalha a setecentos metros de profundidade.

Em todo o caso e apesar dos problemas que as minas nacionais têm registado, o sindicalista afasta, desde logo, um cenário semelhante ao que está a suceder no Chile. "A Lei portuguesa não permite que uma mina tenha apenas uma entrada. Pelo menos, têm de existir duas. O socorro é logo mais facilitado", garante, mostrando-se sensibilizado para com os companheiros chilenos, que desde Agosto estão presos a setecentos metros de profundidade e que a partir desta semana poderão voltar a ver a luz do dia: "Sinto como se fosse connosco. Só queremos que sejam salvos!".

Fonte: Jornal de Notícias (10 de Outubro de 2010).

A este respeito, partilho ainda esta reportagem da SIC de 15 de Setembro de 2010, que recorda as memórias dos mineiros portugueses:

Wednesday, October 6, 2010

Manutenção Segura - Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho




De acordo com a Norma Europeia EN 13306, a manutenção é a "combinação de todas as acções técnicas, administrativas e de gestão durante o ciclo de vida de um objecto, com a finalidade de o manter ou restaurá-lo para um estado em que seja capaz de executar a função exigida.".

Manutenção é um termo genérico de uma variedade de tarefas em diferentes sectores e em todos os tipos de ambientes de trabalho. As actividades de manutenção incluem:

- Inspecção

- Teste

- Medição

- Calibração

- Substituição

- Ajuste

- Reparação

- Conservação

- Detecção de avarias

- Substituição de peças

- Assistência

- Lubrificação

- Limpeza

A manutenção é extremamente importante para garantir uma produtividade contínua, produzir bens de alta qualidade e manter a competitividade de uma empresa. Tem ainda impacto na segurança e saúde no trabalho.

Em primeiro lugar, uma boa manutenção preventiva é essencial para manter a segurança e fiabilidade do equipamento, das máquinas e do ambiente de trabalho.

Seguidamente, pelo facto desta ser realizada em todos os sectores e em todos os locais de trabalho, os trabalhadores que a executam têm maior probabilidade de exposição a vários perigos do que os restantes trabalhadores (a manutenção é considerada uma actividade de alto risco). Por este motivo é necessário ter em consideração a segurança, tanto dos trabalhadores que a praticam e como das restantes pessoas que estão presentes no local de trabalho, através de protecção adequada.

A manutenção segura será o foco da Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho de 2010, que terá lugar de 25 a 29 de Outubro e incluirá centenas de conferências, exposições e sessões de formação em toda a Europa.



Aceda à apresentação de diapositivos da campanha:



Ajude a divulgar esta campanha:

Aceda aqui ao guia da campanha.

Saiba como participar.


Adaptado de: http://osha.europa.eu/pt

Monday, October 4, 2010

Sinistralidade laboral em Portugal - resultados do estudo

Este estudo foi realizado com o intuito de verificar as percepções dos portugueses relativamente aos acidentes laborais, suas causas e características. Foi apresentado na Conferência IIRH10, no Instituto Politécnico de Setúbal, no dia 23 de Setembro de 2010.

Em termos metodológicos, construímos um inquérito por questionário de auto-aplicação que colocámos online. São as informações recolhidas deste modo que constituem o substrato para apresentação e discussão dos resultados.

Estamos cientes das limitações decorrentes da metodologia e do número de respondentes validados (50), pelo que este estudo tem uma natureza exploratória e os seus resultados são apenas válidos para estes respondentes, podendo eventualmente fornecer pistas em relação à sensibilidade dos portugueses em relação a esta temática.

Caracterização dos respondentes

Este estudo conta com a participação válida de 50 pessoas, cuja distribuição por sexo identificou 24 homens e 26 mulheres.

Responderam ao inquérito pessoas entre os 15 e os 50 anos, sendo que a média da idade dos inquiridos foi 28,7 anos. Em relação à escolaridade, 76% dos respondentes apresenta formação superior.

Admite-se algum enviesamento nos resultados que decorre desta situação, e do facto do questionário ser respondido online, pelo que apenas indivíduos com apetência, e acesso a sistemas informáticos e à internet poderiam fazer parte dos respondentes. De realçar ainda o condicionamento decorrente do “sitio” onde o inquérito foi disponibilizado (este blog), sendo o acesso possível via twitter, linked in, e o próprio blog. Ora, este facto torna mais provável que pelo menos alguns respondentes estejam directa ou indirectamente ligados à problemática da Higiene e Segurança.

Dados mais relevantes

Uma das questões apresentadas, reportava ao sector profissional com maior incidência de acidentes mortais em Portugal. Os resultados revelam que o sector apontado como aquele que apresenta mais acidentes mortais é o da construção civil, o que é corroborado pelos dados oficiais.

Gráfico 1 – Distribuição dos acidentes de trabalho mortais em Portugal por sectores de actividadeA profissão identificada como a que susceptível de maior risco de sinistralidade é a de operário da construção civil (48%), seguida da de operário pirotécnico (18%), operário metalúrgico (12%), e mineiro (10%). Também neste caso não se verificaram grandes discrepâncias relativamente aos dados oficiais.

Gráfico 2 – Profissões com maior risco de sinistralidade

No que respeita ao que foi identificado como causa de morte em acidentes em Portugal, a queda em altura foi apontada em primeiro lugar, seguida de esmagamento e do soterramento. Estas respostas confirmam os dados divulgados pela ACT.

Gráfico 3 – Principais Causas de morte em Acidentes Laborais em Portugal

Em relação à primeira medida a implementar com vista à diminuição da sinistralidade laboral, os nossos respondentes sugeriram, em primeiro lugar aumentar a fiscalização e a formação em Higiene e Segurança, em segundo lugar as restrições legais para obrigar o empregador a melhores práticas de Higiene e Segurança e em terceiro lugar o planeamento detalhado dos procedimentos ligados às diversas actividades.

Embora neste caso não possamos confrontar os dados com estatísticas, o facto é que estes resultados vão de encontro aos princípios gerais da prevenção e “legitimam” a obrigatoriedade da formação em Higiene e Segurança e o reforço da fiscalização que se tem verificado nos últimos anos.

Gráfico 4 – Medidas prioritárias para diminuir a sinistralidade laboral

Agradecemos a todos os que participaram no estudo!


Autores:

Mariana Santos

Mickael Silva

Rute Brites

Friday, September 10, 2010

8º Congresso Nacional de Saúde Ocupacional

Decorrerá nos dias 11 e 12 de Novembro de 2010, na Póvoa do Varzim, o 8º Congresso Nacional de Saúde Ocupacional - 8CNSO2010, subordinado ao tema Riscos Psicossociais e Outros Riscos Emergentes.

O programa do 8º Congresso Nacional de Saúde Ocupacional tem como principal objectivo atrair e motivar os profissionais da Saúde e Segurança no Trabalho para a discussão destes temas.

Para consultar o Programa (clique aqui).

Para mais informações contacte:
Congresstur
Rua Fonseca Cardoso, 197 - 2º Dto, 4000-234 Porto
Tel - +351 222 023 520
E-mail: luismachado@congresstur.pt

Fonte: www.act.gov.pt

Governo espanhol quer responsabilizar empresas por acidentes laborais

Projecto de lei castelhana prevê responsabilizar entidades empregadoras mesmo em caso de má conduta dos trabalhadores.
Segundo o periódico espanhol “Expansión”, o Governo espanhol prevê aprovar uma lei que põe fim à incerteza nos litígios entre as entidades empregadoras e os trabalhadores, responsabilizando as empresas mesmo em caso de “imprudência” do trabalhador.

O projecto-lei, ao qual o “Expansión” teve acesso, prevê “presunção de culpa” da entidade empregadora em caso de acidente no espaço de trabalho. O projecto-lei, segundo alguns juristas ouvidos pelo periódico, alarga os deveres das empresas não bastando que estas avisem os trabalhadores em situações de potencial perigo, obrigando-as praticamente a “prever” situações de perigo futuras.

O objectivo deste projecto de lei é, segundo o periódico, “agilizar” os litígios laborais em Espanha, reduzindo a “incerteza” nas relações jurídico-laborais.

O diploma abrange também a possibilidade de “conciliação” entre os litigiosos, que poderão ser efectuados através de acordos entre a entidade empregadora e o profissional.

À margem deste diploma ficam os litígios decorrentes de casos relacionados com a Segurança Social, férias, mobilidade geográfica ou mudança nas condições de trabalho, refere o “Expansión”.

Fonte:www.jornaldenegocios.pt

Thursday, September 2, 2010

Legislação - Risco Eléctrico

Foi publicada hoje em Diário da República a Lei n.º 30/2010, de 2 de Setembro de 2010 - Protecção contra a exposição aos campos eléctricos e magnéticos derivados de linhas, de instalações e de equipamentos eléctricos.

A lei 30/2010 regula os mecanismos de definição dos limites da exposição humana a campos magnéticos, eléctricos e electromagnéticos derivados de linhas, de instalações ou de equipamentos de alta tensão e muito alta tensão, tendo em vista salvaguardar a saúde pública.

Esta legislação visa preservar os interesses públicos da protecção do ambiente e, em especial, da paisagem e do ordenamento do território, dos possíveis impactes negativos proporcionados pelas linhas, instalações e equipamentos de alta e muito alta tensão.

Para vizualizar esta lei clique aqui.

Tuesday, August 31, 2010

Legislação de Higiene e Segurança no Trabalho - Lei nº 24/2010 e Lei nº 25/2010

Foram publicadas recentemente em Diário da República, as Leis nº 24/2010 e 25 de 2010, de 30 de Agosto de 2010.

A lei nº 24/2010, de 30 de Agosto de 2010, transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2005/47/CE, do Conselho, de 18 de Julho, relativa ao acordo celebrado entre a Comunidade dos Caminhos-de-Ferro Europeus (CER) e a Federação Europeia dos Trabalhadores dos Transportes (ETF) sobre certos aspectos das condições de trabalho dos trabalhadores móveis que prestam serviços de interoperabilidade transfronteiriça no sector ferroviário.

Para vizualizar esta legislação clique aqui.

A Lei nº 25/2010, de 30 de Agosto de 2010, estabelece as prescrições mínimas para protecção dos trabalhadores contra os riscos para a saúde e a segurança devidos à exposição, durante o trabalho, a radiações ópticas de fontes artificiais, transpondo a Directiva n.º 2006/25/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de Abril, relativa às prescrições mínimas de saúde e segurança em matéria de exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes físicos (radiação óptica artificial).

A referida lei é aplicável a todas as actividades dos sectores privado, cooperativo e social, da Administração Pública central, regional e local, dos institutos públicos e das demais pessoas colectivas de direito público, bem como a trabalhadores por conta própria.

Para vizualizar a legislação clique aqui.

Tuesday, August 17, 2010

Inquérito sobre sinistralidade laboral

No âmbito de uma investigação estamos a recolher informação sobre a sua percepção relativamente à sinistralidade laboral. A sua opinião conta! Ficamos muito gratos pela sua colaboração.



Para tal basta seguir este link.

Monday, August 9, 2010

Produtos Químicos - Napo

Hoje partilho aqui vídeos do Napo relacionados com o tema - produtos químicos, que me foram muito úteis para a formação que dei na sexta-feira passada. As formandas gostaram muito!





Sunday, July 25, 2010

Software português mede níveis de alegria no trabalho

Qualquer bom gestor sabe ver se os seus trabalhadores estão satisfeitos ou insatisfeitos, certo? Errado. Não é contando o número de vezes que alguém canta a caminho da máquina do café que se descobre até que ponto os funcionários se sentem bem na empresa. Mas esse indicador pode ser bem mais fidedigno que a resposta aos questionários "obrigatórios" que os departamentos de recursos humanos levam a cabo uma vez por ano. Perguntar o grau de satisfação de 1 a 5 é a melhor maneira de ter uma resposta inútil.

Foi a pensar nesta lacuna que duas empresas portuguesas, Via Consulting e Ask For Alchemy, criaram um software próprio para medir a felicidade das pessoas no local de trabalho. Chama-se "Are You Happy" e determina o nível de felicidade entre 0 e 4, com muitas casas decimais pelo meio. Segundo Luís Pereira, presidente executivo da Via Consulting, o processo de análise pode demorar até três meses em cada empresa. E, por vezes, os resultados são surpreendentes.

"A qualidade emocional das pessoas em ambiente de trabalho é um contributo mais decisivo que o QI para a produtividade", explica o responsável, sublinhando que este ainda é um aspecto pouco explorado em Portugal. "Se as pessoas se sentirem mais satisfeitas no ambiente de trabalho, vão ser mais produtivas e mais empenhadas", adianta Luís Pereira, "e isto é algo que a comunidade científica tem vindo a comprovar".

O software tem um questionário de base, mas é necessário trabalhar com a empresa cliente para adaptar as perguntas. Tudo depende do tipo de actividade da empresa, se é um SPA ou uma repartição de Finanças, e do tipo de funcionários que tem. Além disso, um funcionário de call center recebe menos perguntas que o gestor de contas num banco. "O racional é muito diferente dos questionários tradicionais", explica Luís Pereira, exemplificando: uma das perguntas que pode ser feita é se o trabalhador tem o hábito de cumprimentar o recepcionista quando chega de manhã.

Depois de compiladas as respostas, o algoritmo do software determina o nível médio de felicidade. E este costuma ser baixo entre os trabalhadores portugueses. Luís Pereira frisa que "tudo o que se relaciona com a capacidade de inovação está abaixo da média" e que as pessoas gostariam de ser "mais desafiadas". Por outro lado, o estilo de gestão das multinacionais desencoraja os afoitos: "Os funcionários cumprem mais e opinam menos", diz o responsável.

Outra situação que gera infelicidade é a não celebração dos momentos positivos das organizações. "A verdade é que as pessoas interpretam isso como não fazendo parte da empresa", indica Luís Pereira. Conforme os resultados, a Via Consulting fornece dicas e soluções para melhorar os índices e volta a fazer medição meses depois. "Para quem decidie às vezes faz-se um clique", remata o responsável, garantindo que as diferenças costumam ser substanciais.

Fonte: http://www.ionline.pt

Friday, July 23, 2010

Friday, July 16, 2010

Thursday, July 15, 2010

Monday, July 12, 2010

Reportagem sobre "Riscos Industriais - O preço do Perigo".


Realizado por FRANCE2,a emissão COMPLEMENT D´ENQUETE é uma emissão de culto em França e de extrema qualidade. Propõe de forma quinzenal uma reflexão e abordagem mais profunda sobre temas da actualidade. Esta emissão data de 2005.

Aqui são abordados temas como seja a questão do amianto ( e as questões éticas da SHST que se levantam), a falta indesculpável do empregador , a lei do silêncio das populações, o equilíbrio ténue entre Direito ao Trabalho e Direito à Segurança e Saúde no Trabalho, entrevistas com vários responsáveis governamentais, entrevista com um Professor de Ergonomia, situações de morte certa para trabalhadores expostos a substâncias cancerígenas, os indicadores biológicos e a "não-confidencialidade" de informações sigilosas, a "instrumentalização" sindical, a limitação de informação para evitar suicídios nos trabalhadores, a escolha consciente entre "saúde" ou "emprego" e como a subordinação jurídico-económica se processa na prática e sempre quebra do lado mais fraco, a importância de uma verdadeira medicina do trabalho , umas das profissões mais perigosas do mundo- pintura de aviões, entrevista com responsáveis pela prevenção de riscos, a Directiva seveso II e as dificuldades da sua aplicação , o caso AZF em Toulouse, populações que vivem em zonas de morte certa considerando as consequências dos efeitos do BLEVE, riscos ambientais marítimos e do transporte de mercadorias por via marítima em geral, o controlo técnico dos petroleiros quem as faz e de que forma, os riscos sísmicos, a preparação das populações para situações de emergência, a impossibilidade económica das Câmaras de "colocar em conformidade os edifícios" face aos regulamentos anti-sísmicos , como surgem e quem define os regulamentos anti-sísmicos, casos de prevenção sísmica na Construção, Cultura de segurança, bons exemplos de cultura de prevenção no Mónaco, percepção do risco pelas populações ...

Ideal para ser usado em contexto formativo, sensibilização divulgação , e certamente do agrado dos profissionais da SHST/AMBIENTE. É dirigido à população em geral, mas os técnicos podeão ler nas entrelinhas tantos aspectos que conheçemos tão bem.

Para acederem ao texto original e saberem como obter a reportagem acedam ao site.

Sunday, June 27, 2010

Acidentes de Trabalho – a falta de segurança nas empresas

Os acidentes de trabalho, na maior parte das vezes, acontecem por culpa das empresas que não cumprem as normas de segurança e não agem preventivamente. O problema é que os acidentes são uma realidade e só este ano já morreram 124 pessoas.

As consequências destas mortes são tão pesadas, para a família e para a empresa, que mais vale apostar na segurança.

O preço a pagar é demasiado alto quer para o trabalhador, quer para a empresa, que é obrigada a pagar indemnizações à família do trabalhador e vê a sua reputação manchada por mortes desnecessárias.

Em Portugal "a taxa de incidência dos acidentes de trabalho mortais em todas as actividades por 100 mil empregados é de 7,7%, contra uma média comunitária de 3,4% como regista o Diário de Notícias de 02-09-2002.

Tendo em conta o número de mortes que ocorreram nos últimos anos, cabe às entidades empregadoras assegurarem que cumprem a legislação e optarem por investir em medidas de segurança.

O número de acidentes de trabalho diminui se as empresas:

Identificarem as potenciais situações de risco;

Investirem em medidas de segurança;

Adoptarem programas de prevenção;

Escutarem as campanhas de sensibilização;


Nas pequenas e médias empresas à semelhança do que acontece na Europa, pode ser mais complicado identificar as situações de risco e implementar medidas de segurança, dado que estas empresas muitas vezes não têm os recursos necessários para o fazer.


Para dissuadir as empresas de incumprimento das normas de segurança no local de trabalho estão:

As suspensões dos trabalhos caso haja falhas graves de segurança;

A notificação para a tomada de medidas de melhoria das condições de segurança;

A aplicação de sanções;

O custo elevado dos acidentes de trabalho, que excedem o prémio dos seguros pago pela empresa, tanto em espécies como em dinheiro;

Perda de serviços;

Perda de reputação;

Possíveis processos em tribunal;

Atrasos no cumprimento dos compromissos;

Queda na produtividade;

Falta de motivação dos trabalhadores;

Absentismo dos trabalhadores;

O anteprojecto do Código do Trabalho agrava as penas para os acidentes laborais por culpa do empregador, imputando-lhe a responsabilidade de cobrir os prejuízos patrimoniais e não patrimoniais em relação ao trabalhador e seus familiares.

Ora se a empresa estiver numa situação económica instável ou débil os custos podem levar a uma quebra na actividade ou até mesmo à falência.

Retirado de http://aeiou.expressoemprego.pt/PageTree.aspx?PageTreeId=4703


Wednesday, June 23, 2010

Segurança em Passagens de Nível


A imprudência, as transgressões e o desrespeito pela sinalização estão na origem de 95% dos acidentes em passagens de nível.

A consciência desta realidade fez com que, em 45 países de todo o mundo, entre os quais Portugal, se tenha assinalado ontem, dia 22 de Junho de 2010, o “Dia Internacional para a Segurança em Passagens de Nível”.

Esta foi uma iniciativa conjunta dos gestores ferroviários, da administração pública, das entidades reguladoras, do sector ferroviário e rodoviário, das forças policiais, de ONG, de diversas associações europeias e internacionais e que conta com o apoio das Nações Unidas e da Comissão Europeia.

Para assinalar a data, a REFER apresentou o balanço de um ano da campanha de sensibilização e segurança “Pare Escute Olhe”, os resultados da Consulta Pública associada ao “Livro Verde sobre Segurança em Passagens de Nível” e as perspectivas para 2010-2015 sobre esta matéria.

O gráfico seguinte mostra o número de acidentes em passagens de nível em Portugal dos últimos anos e os objectivos para 2015.


Resultados da Consulta pública

O processo de Consulta Pública decorreu entre 18 de Dezembro 2009 e 31 de Março de 2010, tendo estado aberto ao cidadão comum e a organizações.

A supressão de passagens de nível é apontada como a melhor medida tendo em vista a eliminação do risco, estando os utilizadores dispostos a efectuar um percurso mais longo para garantir a sua segurança.

A instalação de barreiras é considerada a medida mais eficaz para o reforço de segurança, mas, tendo em conta a origem da maioria dos acidentes – desrespeito pela sinalização e imprudência – esta medida por si só pode não garantir a ausência de acidentes.

A colocação de câmaras de vigilância, radares e a aplicação de multas - aplicadas com sucesso noutros países – não registam grande adesão enquanto dissuasores das transgressões. Por seu lado, a presença de guardas de passagem de nível ou policias, é considerada muito eficaz.

Embora as campanhas de sensibilização e segurança e a formação sejam reconhecidas como meios importantes no combate a acidentes em passagens de nível, a sua eficácia divide opiniões e existe grande desconhecimento da existência das mesmas. A presença de imagens chocantes é vista como positiva para obter maior eficácia.

O conhecimento das regras e legislação sobre a matéria está aquém do desejável, havendo um consenso de que a temática deve ser introduzida nos currículos escolares.

A REFER é vista como a entidade melhor colocada para actuar nesta área, onde também é reconhecido um papel relevante à comunicação social e às autarquias.

Empresas, instituições e organismos públicos com responsabilidades na promoção e fiscalização da segurança rodoviária são apontados como agentes importantes no que toca à segurança em passagens de nível. No entanto, verificou-se fraca participação destas entidades na consulta.

Finalmente, às associações cívicas é atribuído um papel pouco relevante – estas entidades mostraram alheamento total em relação à consulta pública – contrariamente aos países do norte da Europa, onde a temática da segurança, tem vindo a ser assumida por associações de cidadãos.


Estas e outras informações estão disponíveis em:
http://www.refer.pt/passagensdenivel/index.html

Friday, June 11, 2010

Documentário da National Geographic exibe relatos de trabalhadores sobreviventes à tragédia do Golfo do México


Quase 2 meses depois de uma das piores tragédias ambientais envolvendo petróleo na história, causando danos à vida selvagem, espécies marinhas e ecossistema do Golfo do México, a plataforma petrolífera controlada pela BP (British Petroleum) continua a derramar petróleo. Os números mais recentes divulgados apontam para cerca de 6 milhões de litros de petróleo derramados por dia.

Divulgo aqui parte de um documentário da National Geographic onde são exibidas imagens do acidentes e relatos de trabalhadores sobreviventes a este desastre petrolífero.

Wednesday, June 9, 2010

Prevent-it

Publico aqui alguns videos que podem encontrar em prevent-it.ca, que alertam sobre a prevenção dos acidentes de trabalho.







Friday, May 21, 2010

Fire knock out

Na terça-feira passada, dois elementos dos Bombeiros Voluntários de Setúbal encontravam-se na Escola Superior de Ciencias Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal a fazer apresentações sobre meios de combate a incêndios e mergulho. Em exposição tinham diversos equipamentos, entre os quais um dispositivo que eu desconhecia e que me suscitou bastante interesse: Fire Knock Out.
video

Monday, May 17, 2010

Brincadeiras perigosas com máquinas

Tuesday, May 11, 2010

Quanto tempo demora a propagar um fogo?

Este vídeo foi-me apresentado durante uma formação de combate a incêndios, e encontrei-o hoje durante as minhas pesquisas na web.

Wednesday, May 5, 2010

Tuesday, April 27, 2010

Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho

Todos os anos, no dia 28 de Abril, celebra-se o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho. Desde 2003, a OIT celebra este dia, realçando a prevenção de acidentes e de doenças relacionadas com o trabalho através do diálogo social e do tripartismo. Os riscos emergentes e os padrões de prevenção num mundo do trabalho em mudança são o tema deste ano, sendo analisados os desafios actualmente registados à escala mundial e o novo contexto prático da segurança e saúde no trabalho. A EU-OSHA, na vanguarda do fornecimento de informação actual e fiável sobre estas questões, apoia a OIT de forma activa na promoção deste importante dia.

Fonte: 28 de Abril de 2010: Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho — OSHA — Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho

Vamos celebrar este dia alertando para a necessidade de uma nova cultura de segurança!
É necessário consciencializar que a segurança traz benefícios, não deve ser vista como um custo!
A higiene e segurança é necessária em todas as empresas e em todas as fases, desde o projecto à avaliação de riscos!
A prevenção cabe a todos e é para todos!

Thursday, April 22, 2010

Segurança e Saúde no Trabalho para homens e mulheres


No mês em que se celebra o Dia Internacional da Segurança e Saúde no Trabalho, a 28 de Abril, a OIT alerta para aspectos específicos que afectam diferentemente mulheres e homens no trabalho. A segregação profissional expõe a riscos o sexo sobrerepresentado em determinadas profissões, as longas horas de trabalho, o não respeito pelas regras da ergonomia colocam em risco homens e mulheres em todo o mundo. Ao longo dos anos a Segurança e Saúde no Trabalho valoriza crescentemente a dimensão de género nas condições de trabalho e actualmente constata –se que as leis protectoras das mulheres enquanto esposas e mães contribuiram para as excluir e potenciar a discriminação no trabalho. Actualmente as políticas devem procurar eliminar os riscos e promover o bem estar para todo o pessoal, mais do que excluir um ou outro grupo de determinadas funções mais perigosas.


Friday, April 2, 2010

The safest table saw ever built

Today I share a video suggested by Mickael Silva, my friend and future Health and Safety at Work Technician.It's very interesting, take a look:


Thursday, April 1, 2010

Relatório Único

O relatório Único é um relatório anual referente à informação sobre a actividade social da empresa.

A regulamentação do Código do Trabalho criou uma obrigação única, a cargo dos empregadores, de prestação anual de informação sobre a actividade social da empresa, com conteúdo e prazo de apresentação regulados, entretanto, na Portaria n.º 55/2010 de 21 de Janeiro.

Esta informação anual reúne informações até agora dispersas respeitantes:

  • quadro de pessoal;
  • à comunicação trimestral de celebração e cessação de contratos de trabalho a termo;
  • à relação semestral dos trabalhadores que prestaram trabalho suplementar;
  • ao relatório da formação profissional contínua;
  • ao relatório da actividade anual dos serviços de segurança e saúde no trabalho;
  • balanço social;
  • greves.

A informação anual inclui ainda informação sobre os prestadores de serviço.

A entrega do Relatório Único que decorre entre 16 de Março e 15 de Abril, em 2010 irá excepcionalmente ter um alargamento até ao dia 15 de Maio.

Fontes: site da ACT, site do GEP

Wednesday, March 31, 2010

ACT aperta controlo nas obras

A falta de condições que minimizem o risco de queda em altura foi a principal infracção que a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) encontrou no âmbito de uma mega inspecção de âmbito nacional ao sector de construção civil. Em 42 casos, houve mesmo lugar à suspensão dos trabalhos nas obras vistoriadas.

A intervenção da ACT, que envolveu 118 inspectores do trabalho, decorreu em 244 estaleiros, onde laboravam 549 empresas que tinham ao seu serviço mais de 2000 trabalhadores.

Entre as principais irregularidades detectadas nos locais de trabalho, salientam-se as relacionadas com questões de segurança e saúde no trabalho, nomeadamente riscos de quedas de altura (332), riscos de quedas de objectos (36), riscos eléctricos (45) e riscos derivados de falta de sinalização nas vias de circulação (53), além de falta de exames médicos obrigatórios aos trabalhadores (12).

Os inspectores do trabalho aplicaram diversos procedimentos sancionatórios em face das situações encontradas, com destaque para 59 autos de notícia e 40 suspensões dos trabalhos por iminência ou risco elevado de quedas de altura, além de duas suspensões dos trabalhos por incorrecta utilização dos equipamentos de trabalho.

Foram também levantados nove autos de notícia por falta de exames médicos.

Relativamente aos restantes procedimentos adoptados, são ainda de salientar notificações para tomada de medidas por motivos relacionados com o risco quedas de altura (289), por riscos eléctricos (45) e por quedas de objectos (29).

Os dados da ACT mostram que em 2009 morreram vítimas de acidentes de trabalho 115 pessoas, contra os 120 registados em 2008, o que se traduz numa diminuição de 4%. No último ano, morreram 56 trabalhadores da construção, contra os 59 de 2008.



Fonte: Autoridade do Trabalho aperta controlo nas obras - JN

Sunday, March 28, 2010

Lesões musculo-esqueléticas no escritório - prevenção

Em profissões que implicam estar sentado em frente ao computador por longos períodos de tempo, é importante a realização de pequenas pausas e exercícios de relaxamento muscular. Desta forma, previnem-se as lesões músculo-esqueléticas, aumentando a qualidade de vida e o rendimento no trabalho.



Thursday, March 18, 2010

Safety @ Work Creative Awards

Jointly organised by the Workplace Safety and Health (WSH) Council and Singapore Technologies Engineering Ltd (ST Engineering) in collaboration with Ministry of Manpower (MOM), the Safety@Work Creative Awards showcases local students’ creative talents in advocating the importance of safety at the workplace.
This years competition already closed on the 15th of March.

Here you can watch some movies that participated in previous editions of the contest.


















You can also visit the website.

Monday, March 15, 2010

Falta Higiene e Segurança nas creches do Porto


Um estudo da Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto publicado na revista "Early Childhood Research Quartely" revela que 61% das creches do Porto têm falhas ao nível das condições de higiene e de segurança.

Existem materiais perigosos ao alcance das crianças, como alfinetes ou pionés, arestas agressivas, tomadas eléctricas sem protecção, radiadores ou aquecedores não protegidos, ou colchões da mesa de muda de fraldas sem segurança.

As limitações mais importantes relacionam-se com os cuidados de saúde e procedimentos de higiene a ter com crianças entre um e os três anos.

Havia falhas importantes na lavagem das mãos antes das refeições e depois da muda de fraldas ou das idas à casa de banho, na limpeza do nariz das crianças, na lavagem dos brinquedos e outros materiais.

Já estudos realizados na União Europeia descrevem que creches de países como Holanda, Grécia, Alemanha ou Reino Unido registam mais qualidade do as existentes em Portugal.

Artigo completo: Faltam higiene e segurança a 61% das creches do Porto - JN

Thursday, March 11, 2010

Risco de Incêndio a abastecer o veículo

A ideia de colocar aqui este vídeo surgiu após a formação de ontem, no módulo de organização da emergência, em que o formador o comentou. Tomem nota para para não vos acontecer:


video

Este fenómeno ocorreu devido à elevada quantidade de gases existentes no depósito quando este se encontrava vazio de combustível (o que indica que está cheio de gases) conjugado com energia de activação: a electricidade estática provocada pelo passar das mãos na camisola de lã e o contacto com a parte metálica da mangueira de abastecimento.

Não se esqueçam, é mais perigoso um depósito vazio do que cheio!

Tuesday, March 9, 2010

Segurança na estrada

É do senso comum que em questões de segurança rodoviária o cinto faz toda a diferença entre a vida e a morte em caso de acidente.
Mostro-vos aqui um vídeo sobre a importância do uso do cinto de segurança, que já foi visto por mais de dois milhões e meio de pessoas no Youtube.
O vídeo foi criado por uma equipa de criativos britânicos, que de uma forma serena e fantástica, abordam este tema.

Friday, March 5, 2010

Trabalho com empilhadoras

A respeito do trabalho com empilhadoras deixo-vos este vídeo...



Se quiserem informação sobre os riscos e medidas preventivas a tomar em relação a empilhadoras consultem esta página.

Wednesday, March 3, 2010

E se eu for despedido?



Marcus Chicot, economista, psicólogo clínico e do trabalho lançou o livro "E se eu for despedido?".


Deixo-vos uma boa forma de lidar com o desemprego: humor









Fiscalizações ACT 2009


As empresas fiscalizadas pela ACT, no ano passado, deviam 15,4 milhões de euros, entre salários e subsídios em atraso, a mais de 12 mil trabalhadores.

A este valor acresce a dívida à Segurança Social, de 4,3 milhões de euros, 1,6 milhões dos quais já saldados. A construção civil e as artes gráficas foram os maiores devedores.

A ACT também detectou 5631 trabalhadores em situação irregular, com contrato a prazo ou temporário mas que desempenham funções permanentes e que deviam estar nos quadros da empresa; falsos recibos verdes ou, ainda, pessoas que trabalham "por baixo da mesa".

O incumprimento do tempo de trabalho continua a ser o maior problema laboral detectado pela ACT. Em causa estão jornadas de trabalho mais longas do que as permitidas por lei.

Os fechos ilegais de empresas foram quase metade dos 113 crimes detectados nas mais de 80 mil visitas feitas pela Autoridade das Condições no Trabalho, no ano passado. Além disso, foram encontrados casos de "lock out", em que os donos da empresa a fecham portas temporariamente, mas sem cumprir as obrigações legais, e de retenção ilegal de salários, entre outros.

A ACT passou ainda mais de 500 contra-ordenações nas inspecções feitas as empresas consideradas em crise e mais de metade disse respeito a erros cometidos durante a comunicação de despedimento ou o processo de extinção de posto de trabalho.

Adaptado de:
Empresas devem 1259€ a cada trabalhador - JN-03/03/2010

Monday, March 1, 2010

História da Segurança no Trabalho

Estava a navegar na web quando encontrei este vídeo interessante que nos leva a perceber os primeiros passos da segurança no trabalho e toda a evolução neste campo até aos dias de hoje.

Friday, February 26, 2010

Stress - Amigo ou Inimigo?

Hoje fui a um workshop no estádio Magalhães Pessoa, sobre inteligência emocional e capital psicológico positivo. O orador, José Magalhães, lembrou, entre outras coisas, o lado positivo do stress. Isso deu-me me a ideia para passar-vos esta mensagem hoje.

O stress é um processo fundamental que afecta todos os organismos, desde as bactérias até aos mamíferos.

Ao longo do processo evolutivo, as células, desde organismos unicelulares às células do nosso corpo, aprenderam a usar moléculas que sinalizam uma série de sinais de emergência, para protegerem funções celulares de agressões externas e repentinas. Em organismos complexos, como os seres humanos, os sistemas de stress evoluíram para processos altamente sofisticados que nos habilitam a lidar com desafios extraordinários que nos podem atingir.

O stress é então o conjunto de reacções fisiológicas, psicológicas e comportamentais, a um estímulo ou situação de tensão capazes de perturbar a homeostasia do organismo.

O stress em si é considerado neutro, mas apresenta duas vertentes. O distress ou stress negativo é caracterizado pelo pessimismo, enquanto que o eustress ou stress positivo promove a criatividade e acção.

Os sintomas do stress incluem alterações do ritmo cardíaco, subida dos níveis de adrenalina e noradrenalina, alterações do sono, aumento da tensão muscular, dificuldade de tomada de decisões, irritabilidade, excitação, gaguez, angústia, inquietação motora e tiques nervosos.

O stress, provocando alterações físicas e psicológicas no organismo humano, afecta também a capacidade de trabalho e o rendimento dos trabalhadores das organizações.

Muitas vezes, o stress no trabalho, deve-se a sobrecarga de trabalho e de responsabilidade, e causa custos ás organizações devido a atrasos, absentismos, doenças, acidentes, falta de criatividade, e desempenho fraco.

O stress reduzido desanima, stress em excesso deixa os nervos em franja. Cada pessoa tem o seu nível de stress óptimo e diferentes pessoas numa mesma situação reagem de formas diferentes. Portanto, o stress não deve ser eliminado, deve sim ser gerido.

Primeiro precisa de se conhecer a si próprio: Quando fica mais tenso? É demasiado exigente? Quais as suas expectativas? Quais as suas reacções?

O próximo passo é saber relaxar.

Ouvir música, tomar um banho de imersão, praticar yoga, fazer massagens, ter uma alimentação equilibrada, manter o peso ideal, evitar nicotina, café e outros estimulantes, dormir bem contribuem para diminuir a sobrecarga de stress.

Faça também preparação emocional como cultivar amizades e aproximar-se das pessoas que o apoiam, estabelecer objectivos realistas e significativos, contar com os erros próprios de quem é humano e com as adversidades do dia a dia.

Para finalizar deixo aqui uma sugestão de leitura.

O Stress no trabalho: Causas, efeitos e prevenção, de Alda Pinto

http://www.factor-segur.pt/artigosA/artigos/O%20Stress%20no%20trabalho.pdf